Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de maio de 2019.
Dia do Assistente Social.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 15/05 às 13h42min

Onyx compara cortes na educação a economia para compra de vestido de festa

Onyx negou ainda que o governo vá voltar atrás no contingenciamento anunciado no orçamento do MEC

Onyx negou ainda que o governo vá voltar atrás no contingenciamento anunciado no orçamento do MEC


EVARISTO SA/ AFP/JC
Folhapress
No dia em que estão previstos protestos em várias cidades brasileiras, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, comparou os cortes na educação a dificuldades financeiras de uma família para a compra de um vestido para festa de 15 anos da filha.
"É que nem o pai, que tem um salário e sabe que tem que comprar o vestido de 15 anos da filha lá em outubro, mas ele está em maio. Aí, ele vai vendo o que vai entrando, o que vai gastando, e diz: 'ih, pode ser quem não dê, então, eu não vou sair para comprar churrasco, não vai ter cervejinha no final de semana, eu não vou comprar o tênis do João", afirmou o ministro ao argumentar que não se tratam de cortes, mas sim de uma reserva orçamentária.
"O que ele faz? Ele contingencia, ele protege, ele guarda o seu gasto. Isso é uma atividade responsável, é isso que o governo do presidente Bolsonaro está fazendo", defendeu.
As declarações foram feitas pelo ministro na manhã desta quarta-feira (15) durante um encontro com dirigentes das empresas de rádio e TV de Santa Catarina, realizado em Brasília.
Depois de o Ministério da Educação ter anunciado a redução de 30% do orçamento da pasta, foram marcadas manifestações em todo o país em defesa de recursos para a educação nesta quarta.
Os cortes atingiram desde o ensino básico ao superior e reduziram o orçamento das universidades federais, bloqueando bolsas de pesquisa.
O ministro negou ainda que o governo vá voltar atrás no contingenciamento anunciado no orçamento do MEC.
Na terça-feira (14), deputados disseram no plenário da Câmara terem ouvido o presidente Jair Bolsonaro pedir para que o corte de recursos fosse revisto.
Logo na sequência, a Casa Civil, o MEC e o Ministério da Economia divulgaram notas afirmando que o contingenciamento seria mantido.
Onyx disse nesta quarta que houve um equívoco por parte dos deputados e que os recursos seguirão represados.
"Houve uma confusão entre o que é contingenciamento do que é corte. Os parlamentares que têm universidades federais na sua base, é normal, é natural, é desejável, que eles lutem pelas suas universidades, porque elas são importantes para suas comunidades", disse.
Nesta quarta, enquanto protestos são realizados nas ruas, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, dará explicações sobre os cortes no plenário da Câmara, após ter sido convocado na véspera por deputados.
Sem citar diretamente o ex-presidente Michel Temer, Onyx disse ainda que a gestão anterior deixou armadilhas no orçamento deste ano.
"Temos uma dificuldade de que no primeiro ano do nosso governo o orçamento é feito pelo governo que saiu. E ali tinha uma série de pequenas armadilhas para desgastar o atual governo. A gente foi competente, foi driblando as armadilhas, mas isso não quer dizer que a gente viva num mar de rosas", disse.
Ele disse ainda que desde 2003 o PT fez "muita força para destruir o Brasil", embora o partido tenha deixado o governo em maio de 2016, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.
O chefe da Casa Civil disse ainda que não é razoável cobrar que Bolsonaro resolva todos os problemas do Brasil em quatro meses.
Ainda sobre a educação, Onyx disse queo Brasil é um "case negativo" no mundo, argumentando que quando é elevado o tempo de escolaridade dos alunos, não há impacto econômico no país.
"A educação brasileira, ela tem um caso raro, é um case negativo raro no mundo. O Brasil é o único país do planeta que tu aumenta o tempo de escolaridade e não tem impacto econômico. Vou repetir: tu aumenta os anos de escolaridade e o Brasil é o único país do planeta em que não há impacto econômico nisso", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia