Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de março de 2019.
Dia do Bibliotecário.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Governo Federal

Alterada em 12/03 às 17h26min

Bolsonaro diz que ministro da Educação está mantido no cargo

Bolsonaro garantiu que  Ricardo Vélez Rodríguez será mantido no cargo

Bolsonaro garantiu que Ricardo Vélez Rodríguez será mantido no cargo


GERALDO MAGELA/AGÊNCIA SENADO/JC
Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (12) que o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, está mantido no cargo. Segundo Bolsonaro, os problemas na pasta estão solucionados. 
"Teve um probleminha só com o primeiro homem dele, mas está tudo resolvido", afirmou o presidente, sem fazer referência a nome específico. O presidente brincou que, com cinco filhos, tem problemas "de vez em quando, imagine com 22 ministros". A declaração foi dada enquanto Bolsonaro aguardava a chegada do presidente do Paraguai, Mário Abdo Benítez, para um almoço no Palácio do Itamaraty. Foi a segunda visita oficial de um chefe de Estado desde que Bolsonaro assumiu o poder.
O Ministério da Educação passa por uma reformulação interna nos últimos dias. Ontem (11), foram exonerados seis funcionários comissionados. As demissões foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União. Dentre elas, as do secretário-executivo adjunto, Eduardo Miranda Freire de Melo; do assessor especial Silvio Grimaldo de Camargo; e do chefe de gabinete, Tiago Tondinelli.    
Em nota, o MEC afirmou que trata-se de uma reorganização do ministério e que as mudanças não vão reduzir as intenções de apurar e combater os indícios de corrupção na pasta ou frear o andamento da "Lava Jato da Educação". 
Sobre a situação do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, suspeito de envolvimento no direcionamento de verbas de campanha a candidaturas laranjas, o presidente afirmou: "Estou aguardando primeiro o relatório da investigação".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia