Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Igreja Católica

Alterada em 13/03 às 09h39min

Justiça da Austrália condena cardeal acusado de crimes sexuais

A man reacts as he listens to County Court Chief Judge Peter Kidd (on the monitor) speak during the sentencing of Cardinal George Pell who was was found guilty on historic child sex crimes, in Melbourne on March 13, 2019. (Photo by William WEST / AFP)

A man reacts as he listens to County Court Chief Judge Peter Kidd (on the monitor) speak during the sentencing of Cardinal George Pell who was was found guilty on historic child sex crimes, in Melbourne on March 13, 2019. (Photo by William WEST / AFP)


William WEST/AFP/JC
Agência Brasil
A Justiça da Austrália condenou nessa quarta-feira (13) o cardeal George Pell, de 77 anos, a seis anos de prisão por crimes sexuais contra crianças. Para o juiz Peter Kidd, o religioso não mostrou nenhum remorso pelos crimes. Ele cumprirá pena em regime fechado em uma prisão australiana.
O cardeal ocupou funções importantes no Vaticano, mas foi afastado quando vieram à tona as denúncias de que ele molestou dois meninos na Catedral de St. Patrick, em Melbourne, nos anos 90.
Pell foi condenado por obrigar os meninos de 13 anos a fazer sexo oral com ele na sacristia dos padres da Catedral de San Patrick, na qual era arcebispo. Um sobrevivente do abuso permanece vivo, o outro morreu de overdose de heroína.
Ao proferir a sentença, o juiz disse que Pell levou uma "vida sem culpa". Em declaração lida por advogados, uma das vítimas disse que era "difícil" consolar-se com a sentença. Segundo ele, não havia descanso.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia