Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de fevereiro de 2019.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

07/02/2019 - 18h31min. Alterada em 07/02 às 18h31min

S&P avalia que posição fiscal do Brasil continua fraca

Estadão Conteúdo
A agência de classificação de risco S&P Global Ratings afirmou nesta quinta-feira (7), que a posição fiscal do Brasil continua fraca tendo em vista um cenário com "déficits fiscais consideráveis e um grande endividamento". Ela diz esperar que o governo do presidente Jair Bolsonaro proponha "uma reforma da Previdência abrangente para conter o aumento dos gastos obrigatórios do governo" com a intenção de facilitar o cumprimento do teto de gastos.
"Além das perspectivas de crescimento moderado, a posição fiscal do Brasil é outra das principais fraquezas da nota de crédito. Sua trajetória fiscal é de déficits ainda grandes, embora em declínio, e aumento do endividamento até 2022", na avaliação da S&P. A agência diz esperar que o déficit primário do governo central cairá de 7,1% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 para 6,7% do PIB este ano e, depois para 5% em 2022. "Isso é consistente com nossa suposição de uma lenta redução no déficit primário do governo, de, em média, 0,7 ponto porcentual entre 2019 e 2021, e mudará para uma posição equilibrada em 2022."
Em relação às contas externas, que, de acordo com a S&P, "permanecem sólidas", a agência projeta que o déficit em conta corrente passará de 0,8% do PIB em 2018 para 1,2% do PIB este ano e, posteriormente, para 2,6% em 2022.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia