Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

investigação

10/10/2018 - 09h09min. Alterada em 10/10 às 19h15min

PF mira contrabando de cigarros no RS que movimentava R$ 2,5 milhões por mês

Doze cidades gaúchas e uma de Santa Catarina foram alvos de mandados de busca e apreensão

Doze cidades gaúchas e uma de Santa Catarina foram alvos de mandados de busca e apreensão


Polícia Federa/Divulgação/JC
Duas organizações criminosas foram desarticuladas pela Polícia Federal nesta quarta-feira (10), investigadas por comercialização irregular de cigarros contrabandeados e distribuição com sonegação de impostos. Doze cidades do Rio Grande do Sul e uma de Santa Catarina foram alvos de 16 mandados de prisão e 66 de busca e apreensão. A estimativa é de que mais de R$ 2,5 milhões ao mês eram movimentados com a distribuição de 500 mil maços de cigarro no Sul do Estado.
Rio Grande, Pelotas, Cachoeirinha, Alvorada, Porto Alegre, Barão do Triunfo, Gravataí, Canoas, Esteio, Caxias do Sul, Agudo e Cachoeira do Sul foram alvos dos mandados no Rio Grande do Sul. Em Santa Catarina, as ofensivas ocorreram no município de Maracajá.
De acordo com a PF, a ação, batizada de Operação Pancada, iniciou em março deste ano, quando foi descoberto um depósito em Rio Grande, na região Sul gaúcha, com 380 mil maços de cigarros estrangeiros, avaliados em R$ 2 milhões. Quatro pessoas foram presas em flagrante na ocasião.
A investigação aponta ainda que as organizações criminosas distribuíam cigarros contrabandeados na região, além dos produzidos clandestinamente no País, de marcas idênticas às paraguaias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia