Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de outubro de 2018.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

09/10/2018 - 19h59min. Alterada em 09/10 às 19h59min

Dólar segue ajuste nos juros dos Treasuries e cai ante maioria das moedas

Estadão Conteúdo
Após subir, o dólar terminou esta terça-feira (9) com fraqueza ante moedas fortes e maioria das moedas emergentes, depois que os juros dos Treasuries inverteram tendência de alta e fecharam em queda.
O mercado de Treasuries voltou do feriado do Dia de Colombo nos EUA com força total, ainda em reflexo às previsões de aumento de juros em meio a indicadores fortes da economia dos EUA. Durante a manhã, o retorno da T-Note de 10 anos chegou a subir a acima de 3,25% no início do pregão, retornando ao seu nível mais alto desde 2011. O rendimento dos títulos do Tesouro de 30 anos subiu acima de 3,43%, seu maior nível desde 2014. Após tocar as máximas, os ajustes foram inevitáveis e os yields caíram e levaram o dólar junto.
"O dólar vinha subindo, uma vez que os rendimentos dos títulos do governo norte-americano de 10 anos ainda mantinham os ganhos da semana passada por causa da pesquisa ISM não-manufatureira recorde e das sólidas folhas de pagamento dos EUA", apontou a RBC Capital Markets, acrescentando que o movimento de queda dos yields foi acompanhando pela moeda americana.
Contrariando o movimento de fraqueza da moeda americana, o euro terminou em leve queda. O euro bateu mínimas em relação ao dólar durante o dia, em meio ao avanço do juro do bônus de 10 anos da Itália, o BTP. Investidores seguem cautelosos com o risco de rebaixamento no rating soberano do país e de problemas com a União Europeia, diante das metas de déficit orçamentário do governo de Roma. O Commerzbank diz que a alta nos retornos do BTP enfraquece o euro, mas não deve haver grande recuo na moeda, pelo menos no cenário atual, em que o Banco Central Europeu (BCE) tem se comprometido a garantir a estabilidade. No fim do dia, o euro tinha leve queda a US$ 1,1495, de US$ 1,1498.
Já a libra teve dia de otimismo depois que a Dow Jones Newswires divulgou que, de acordo com diplomatas, o Reino Unido e a União Europeia avançaram nas negociações sobre o Brexit e os termos do divórcio poderão ser fechados até a próxima segunda-feira. No final dos negócios, a libra subia a US$ 1,3144, de US$ 1,3093 de segunda. O dólar caía a 112,97 ienes, de 113,13 ienes de ontem.
Entre as moedas emergentes, a rupia indiana ficou pressionada, após o Fundo Monetário Internacional (FMI) revisar para baixo sua projeção de crescimento do país asiático no próximo ano fiscal, de 7,5% para 7,4%. O dólar subia a 74,085 rupias, de 73,919 rupias no fim da tarde de ontem.
Na África do Sul, a notícia de que o ministro de Finanças da África do Sul, Nhlanhla Nene, renunciou ao cargo após reconhecer erros relacionados ao escândalo de corrupção envolvendo o ex-presidente Jacob Zuma levou o rand sul-africano a subir com força. No fim dos negócios, o dólar caía a 14,5920 rands, de 14,8565 rands no fim da tarde de segunda.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia