Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de agosto de 2018.
Dia do Nutricionista.

Jornal do Comércio

Automotor

COMENTAR | CORRIGIR

Lançamento

Edição impressa de 31/08/2018. Alterada em 31/08 às 01h00min

Novo modelo C4 Cactus da Citröen quer ser revelante entre os SUVs

Veículo estará disponível nas concessionárias apenas em outubro

Veículo estará disponível nas concessionárias apenas em outubro


CITROËN/DIVULGAÇÃO/JC
O design do C4 Cactus é moderno e, para usar uma palavra em voga, disruptivo. Caracteriza-se por linhas orgânicas, pela dianteira alta e expressiva e pela silhueta dinâmica e fluida.
O para-choque frontal tem ângulo de ataque de 22 graus, reforçando a proposta de SUV. De lado, chama a atenção a altura em relação ao solo de 225 milímetros. Na traseira, as formas são musculosas e o para-choque oferece ângulo de saída de 32 graus.
Na cabine, o novo Citroën C4 Cactus entrega conforto e bem-estar, com volumes organizados, cores suaves e materiais macios. O quadro de instrumentos é 100% digital e no centro do painel há uma central multimídia com acabamento em preto brilhante que remete às telas dos tablets.
O espaço interno propicia habitabilidade, versatilidade e acessibilidade para cinco pessoas, fruto de uma distância entre-eixos de 2.600 milímetros. As demais medidas da carroceria são: 4.170 mm de comprimento, 1.566 mm de altura e 1.714 mm de largura. Já o porta-malas decepciona: o volume útil inicial é de 320 litros, podendo aumentar para 1.170 litros com o rebatimento dos encostos dos bancos traseiros.
O C4 Cactus adota em suas versões de topo o motor THP (Turbo High Pressure) 1.6 16V, que fornece potência máxima de 173 cv com etanol (com gasolina, são 166 cv) e torque máximo de 240,1 Nm. O propulsor vem associado à uma transmissão automática sequencial de seis marchas.
Para as configurações de entrada e intermediárias, a motorização é aspirada, 1.6 Flex (batizada de 120 Vti Flex Start). Quando combinado ao câmbio manual de cinco marchas, o propulsor gera 122 cv e 160,7 Nm; em parceria com a caixa automática, rende 118 cv e 157,8 Nm.
Conforme a versão, o pacote de recursos de segurança e auxílio à condução do veículo inclui sistema de frenagem automática e alerta de colisão; alerta de atenção ao condutor; faróis de neblina que acompanham o traçado das curvas; assistência de partida em rampas; e controle de aderência (que otimiza a motricidade em terrenos acidentados ou difíceis).
As suspensões do C4 Cactus foram parametrizadas com exclusividade para o mercado latino-americano. O projeto introduziu novos amortecedores, molas e batentes para melhorar a absorção de impactos e permitir um conforto superior. Na frente, a suspensão é do tipo pseudo McPherson, com barra estabilizadora; na traseira, o conjunto alia travessa deformável e barra estabilizadora.
A direção, com assistência elétrica, também recebeu uma calibragem específica para as condições locais. Com um diâmetro de giro de 11,07 metros, apresenta grande progressividade e suavidade.
O sistema de frenagem conta com discos dianteiros ventilados de 283 milímetros de diâmetro e discos traseiros sólidos de 249 mm de diâmetro. As pinças de freio possuem torque residual reduzido para a diminuição de ruídos.
JC
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia