Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 09h52.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 17/07/2017. Alterada em 16/07 às 17h57min

Reforma trabalhista

A reforma trabalhista, única reforma importante no Brasil em décadas, abre a possibilidade de aliviar um dos principais entraves do desenvolvimento social: a geração de empregos pela iniciativa privada. A expectativa é que um novo dinamismo nas relações de trabalho seja fomentado, especialmente pelos pequenos e médio empreendedores, que se constituem na principal fonte de empregos no Brasil. O Estado cumpriu seu dever ao começar a pavimentar um ambiente propício ao emprego formal, beneficiando a maioria da população, que sobrevive em meio ao emprego precário, informalidade ou desemprego, e que nunca consegue usufruir dos famosos direitos trabalhistas. Por óbvio, a reforma trabalhista não será a solução de todos os problemas. Um primeiro passo para um País que tem governantes e opositores desmoralizados pela corrupção, e que atuam alheios aos dramas da população brasileira. (Luís Fialho, bancário, Porto Alegre)
Guarda Civil
Bem lembrado o prédio que já foi Quartel General do então III Exército e da 3ª Região Militar, na Andradas esquina Gal. Canabarro (Jornal do Comércio, 11/07/2017). Mas ali teve um fato histórico, pois o então QG foi atacado pela Guarda Civil, em 3 de outubro de 1930, iniciando a revolução que levou Getulio Vargas ao Catete. O QG da Guarda Civil ficava uma quadra acima, esquina da Riachuelo com a também Gal. Canabarro. (Jaime Eduardo Franchesci, Porto Alegre)
Guarda Civil II
A respeito da nota sobre o prédio que foi QG do Exército, lembro da sede da extinta Guarda Civil, a parte fardada da Polícia Civil, que atuava no policiamento ostensivo de Porto Alegre, com um grupamento só para cuidar do trânsito, com fardamento diferenciado, e tinha também o seu Pelotão de Choque, com quepe vermelho. (José Carvalho, Porto Alegre)
Guarda Civil III
A Guarda Civil atacou o QG do Exército, em 1930, começando a revolta que levou Getulio Vargas à presidência da República. A Guarda Civil existiu de 1930 até 1967. Criou o serviço de rádio-patrulha, camionetes que circulavam, dia e noite, pela cidade, que tinha mais segurança. O prédio do QG da Guarda Civil, segundo sei, foi doado ao IAB-RS, mas está lá, abandonado. Também se não me engano, pertenceu à Baronesa de Gravataí. (Arnaldo Camboim, Porto Alegre)
Lula e Mandela
O senador Paulo Paim (PT) não conhece a história (Paim diz que Lula vai virar o novo Mandela se for preso, Jornal do Comércio, 13/07/2017). Nelson Mandela não organizou uma quadrilha para saquear o seu país, coisa que o Lula fez com muita competência. (Sérgio Tostes de Escobar)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Daciur santos 17/07/2017 09h24min
Sr Fialho! Gerar emprego sem qualidade e respeito é pura demagogia! Não basta gerar empregos, é preciso que haja qualidade, salários justos e respeito aos trabalhadores que geram riquezas ! E sabemos que a maioria dos empresários, não tem respeito pelos trabalhadores. Nos tempos de escravidão , também havia quantidade de empregos!! Não sei e você entendeu! Leia bem os tópicos da reforma , que foi feita as pressas , sem nenhuma consulta aos trabalhadores! O Maduro também faz isso na Venezuela!